sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

A verdadeira fé

A verdadeira fé não se limita apenas a orações ou práticas ritualísticas, ela consiste em ser verdadeiramente crente daquilo que se propõe a cumprir. Claro que as orações e práticas ritualísticas são partes importantíssimas para um credo, são a base de sua cultura, sem isso a religião fica basicamente “sem pé nem cabeça”
 Muitas pessoas em todo o mundo, levadas pela euforia de uma visão de Paraíso, perdem o bom senso e atacam outras pessoas por suas crenças e pensam estar  fazendo o correto, pois, para eles, a sua é a verdadeira fé.
 Nós sabemos que qualquer agressão, seja ela física ou verbal, não condiz com as promessas feitas pelo Criador, onde Ele, em sua imensa bondade, não é a favor de qualquer forma de violência.
 A verdadeira fé consiste em sermos homens do presente, como a Natureza que busca renovar-se a todo instante, sempre progredindo e nunca regredindo.  O ideal deste progresso seria se pudéssemos evoluir cada dia mais, hoje mais que ontem, amanhã mais que hoje sempre visando um bom relacionamento espiritual.
 Para que cheguemos à perfeição, deve-se sempre prosseguir passo a passo, continuamente, respeitando os limites que a vida nos impõe.
 Assim devem ser os homens de uma fé inabalável, agindo com respeito às diversas crenças existentes. Para mim todas estão corretas quando buscam o bem de seu fiel.
Infelizmente, nos deparamos a cada dia com a intolerância de pessoas que se tornam fanáticas naquilo que crêem, esta não é a verdadeira fé, isto é fanatismo e tudo em exagero nunca é bom.
O ideal seria se os fiéis de suas respectivas religiões se interessassem em elevar-se e progredir cada vez mais, mostrando bondade e sinceridade naquilo que crê sem precisar demonstrar a qual religião pertence.
Somos irmãos por um mesmo elo, então, vamos fazer a felicidade de alguém?
Muito Obrigado!
Luís Carlos Taúrcio - Colunista Ecumênico